Tratando Bipolar com ECT

 

Qual a indicação para tratar o Bipolar com ECT?

 

Muitas pessoas com Bipolar sofrem com a dificuldade em controlar sua doença. A ECT é um tratamento eficaz no controle deste transtorno, sua eficácia é mundialmente reconhecida. É um tratamento seguro, aprovado também no Brasil há anos, tanto em Universidades, quanto pelo Conselho Federal de Medicina. 

Uma das maiores indicações de tratamento com ELETROCONVULSOTERAPIA (ECT) no mundo inteiro é o Transtorno Afetivo Bipolar ou Transtorno de Humor Bipolar.

Utiliza-se a ECT no Bipolar para os casos em que se preenche um dos critérios abaixo:

  • a pessoa não consegue mais ficar estável com as medicações

  • a pessoa está em uma crise grave de Euforia (mania) ou de depressão

  • a pessoa corre risco de morte

 
 

Qual o melhor momento para o portador de Bipolar ser submentido a ECT?

 

Assim que deixa de responder aos esquemas com estabilizadores de humor.

 
Sabe-se que uma pessoa que porta o transtorno bipolar e não consegue ficar estável ela apresenta maior risco de:
  • deterioração das funções cognitivas como memória e atenção, passando com o tempo a não conseguir ter o mesmo desempenho acadêmico e laboral de outrora

  • envolvimento/uso/dependência de drogas

  • envolvimento com infrações legais/judicais

  • morte por acidente

  • morte por suicídio

Lamentavelmente, a maior parte da população ainda minimiza a gravidade do transtorno bipolar quando não estabilizado, principalmente a gravidade para o paciente, que muitas vezes é mantido por anos, subtratado, com medicações que não conseguem estabilizá-lo de fato, mas são impedidos pelo preconceito, ou por outras razões, de chegarem a ELETROCONVULSOTERAPIA a tempo de que esta possa ser eficaz. Sim, porque é importante ressaltar que, apesar da eletroconvulsoterapia ser o TRATAMENTO OURO de TODOS os ALGORITMOS em psiquiatria para o transtorno bipolar, em todas regiões do mundo, sua eficácia é limitada por alguns fatores, um deles é a cronicidade de doença, assim, se o paciente ficar durante anos e anos sendo inadequadamente tratado e demorar a ser encaminhado também para este tratamento, perderá o momento certo de resposta a ECT, isto é, nem a Eletroconvulsoterapia será capaz de reverter seu quadro!

 

Portanto, é fundamental que os psiquiatras, as famílias e os pacientes estejam atentos para reconhecerem  a necessidade de fazer a ECT, a fim de não perderem o momento para indicarem este recurso terapêutico.

 

Qual é prognóstico do tratamento do Bipolar com ECT?

Outro aspecto fundamental a esclarecer é o prognóstico após o tratamento com ECT em pacientes Bipolares. Há várias possiblidades:

  • Pessoas que deixam de precisar dos medicamentos e passam a controlar o transtorno apenas com a ECT, fazendo sessões períodicas e esparsas de manutenção;

  • Outras que passam a voltar a responder a medicamentos que anteriormente já não tinham mais efeitos sobre si.

  • Há aqueles que apresentam uma melhora parcial com a ECT, e que precisarão eventualmente voltar a repetir as séries mais adiante, mas que reduzem os riscos contra si e contra terceiros e as internações psiquiátricas.

  • E, em menor número de casos, há também os que não respondem, em nenhum grau, mesmo à ECT.

 

Eletroconvulsoterapia X Estimulação Magnética Transcraniana no Bipolar: o que é melhor?

A Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) apenas pode ajudar o paciente nas crises de depressão do bipolar. Enquanto a Eletroconvulsoterapia (ECT), costuma ser útil tanto no paciente Bipolar que está em depressão, em mania, como nos estados mistos, porque a Eletroconvulsoterpia age para o paciente bipolar como se fosse um estabilizador de humor.

Portanto, a ECT costuma ser melhor para o paciente Bipolar que a EMT.

Depoimento da Mãe de Paciente, portadora de Bipolar, JOSEFINE*, que fez ECT em Aracaju, conosco.

 

"Minha filha foi diagnosticada sendo bipolar, durante anos tomou remédios, a psiquiatra dela informou que até chegar a dose certa ela não melhoraria, naquele momento me convenci que ela estava certa....   durante esse periodo minha filha gastava o que tinha e o que não tinha...  trocava de celular a cada instante, naquele momento a fixaçao dela era por celular. O marido dela já não suportava tantos gastos, além de outros problemas.....às vezes deprimia que não queria nem levantar da cama, deixou de trabalhar, de estudar. 

Era uma luta!!! 

A familia já estava no limite! Quando ela não estava deprimida se não se fizesse o que ela queria eram brigas e mais brigas.

Já estávamos cansados dessa situaçao, da medicação que não fazia o efeito desejado, foi quando o marido dela pesquisando sobre tratamentos usados com sucesso no diagnóstico dela chegou ao ECT.
A ECT, diante do que lemos, percebemos que esse tratamento poderia dar certo.
Começamos a procurar os locais a onde se fazia e encontramos aqui em Aracaju, procuramos a Dra. Glaise Franco e fizemos o tratamento. 

Hoje minha filha voltou a dirigir, trabalhar, e estudar....o tratamento funcionou!!"

Josefine é um nome fictício para proteger a identidade da paciente, que voltou a ser a profissional competente que fora antes da doença.

Quando Josefine nos procurou tinha 35 anos e uma década de doença. 

Três anos depois do ECT, Josefine prossegue bem. 

Depoimento de portador de BIPOLAR que fez ECT, disponível na internet.