O que é a Psiquiatria?

A palavra PSIQUIATRIA tem origem no grego e significa "arte de curar a alma".

 

É uma especialidade médica que realiza a prevenção, o atendimento, diagnóstico, tratamento e reabilitação das diferentes formas de sofrimentos mentais, sejam elas de cunho orgânico ou funcional.

 

Apesar das primeiras descrições de doenças mentais datarem de antes século V a.C., a psiquiatria somente começou a ganhar corporeidade a partir do século XVIII na França, com descrições mais detalhadas das doenças, surgimento de maior sistematização das patologias e criação de locais de tratamento específicos para os pacientes.

O que é preciso para ser psiquiatra?

Primeiramente é preciso ser médico, isto é, ter cursado todos os 6 anos da faculdade de medicina e ser formado. Em seguida, prestar um concurso para residência médica em psiquiatria e durante no mínimo 3 anos  dedicar-se durante pelo menos 60h semanais ao aprendizado prático, sob supervisão de psiquiatras já especializados, em um regime de atendimento e de estudo diários que incluem plantões, ambulatórios de psiquiatria clínica, serviço de neurologia, ambulatórios de psicoterapia individual, de psicoterpia de grupo, enfermaria, etc. a depender do nível técnico da Residência Médica.
Para se dizer especialista pela Associação Brasileira de Psiquiatria é necessário ainda se submeter a outra prova, após a residência médica, a Prova de Título de Especialista. Assim, há uma prova de Título de especialista para Psiquiatria, outra para Psiquiatria Infantil e assim por diante.

Qual é o trabalho do psiquiatra?

Muitas pessoas têm dificuldade em saber afinal o que fazem os psiquiatras? como atuam? como podem ajudar outras pessoas?

Os psiquiatras ouvem as pessoas que os procuram e avaliam juntamente com elas seus problemas, suas queixas, dimensionando estes problemas dentro de algumas categorias, por exemplo:

  • discernindo-os entre o normal e o patológico;

  • entre o humanamente tolerável ou não;

  • diferenciando-os entre o culturalmente aceitável e o incompreensível;

Feito um diagnóstico do problema que a pessoa traz, cabe ao psiquiatra tentar, através de intervenções psicoterápicas, sociais ou medicamentosas junto ao paciente e à família ou à comunidade, iniciar o processo de transformação daquela situação, de modo que o problema, por exemplo, um transtorno mental, seja adequadamente tratado, e deixe de provocar sofrimento a pessoa acometida.

Portanto, ao contrário do que muitos crêem, a medicação é apenas uma das estratégias, das ferramentas de trabalho do psiquiatra, mas está longe de ser a única.

Entretanto, como acontece em outras especialidades médicas, muitos pacientes preferem apenas tomar o medicamento, porque a psicoterapia e as intervenções sociais demandam mudanças no estilo de vida e isto implica em compromisso por parte das pessoas também. Assim, muitas preferem apenas a medicação, do que o compromisso com mudanças mais profundas em suas vidas.

Além disto, como a psiquiatria é uma especialidade médica, cabe ao psiquiatra ver seu paciente como um todo e não somente uma mente que adoece, mas como uma pessoa que completa que pode estar também com outras doenças: das glândulas endócrinas, do sistema cardiovascular, etc. Deste modo, é com frequência que nós acabamos diagnosticando outras doenças físicas e encaminhando nossos pacientes para o tratamento com outros especialistas.

Portanto o psiquiatra bem formado está habilitado a:

  • realizar consultas em Psiquiatria Clínica: atender em consultas os pacientes, ouvi-los, diagnosticá-los, tratá-los com medicamentos e indicar outros tratamentos, fornecer atestados, relatórios, emitir pareceres médico-legais, solicitar e avaliar exames de laboratório, gráficos e de imagem;
  • realizar Psicoterapia (para os que tiveram treinamento em suas residências/cursos para tanto): psicoterapia individual ou em grupo, de apoio, para tratamento de transtornos mentais, intervenções de crise, etc.

O vídeo abaixo ilustra bem a formação e o trabalho do psiquiatra.

Aborda de forma fácil e bem-humorada como o preconceito à doença mental e ao portador de transtornos mentais atingem também o médico que decide ser Psiquiatra.